segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Cresce dependência de drogas entre policiais militares de SP


Cresce dependência de drogas entre policiais militares de SP
De janeiro a setembro, centro social registrou 96 casos, mais do que em todo o ano de 2007
José Dacauaziliquá
.
Um policial militar com dependência de álcool e/ou drogas foi atendido a cada três dias pelo Centro de Assistência Social e Jurídica (Casj) da Polícia Militar de São Paulo entre janeiro e setembro deste ano. O número deve ser superior ao das estatísticas da corporação, pois muitas vezes os policiais procuram esconder o problema, temendo ser perseguidos pelos comandantes e virar motivo de piada entre os colegas. Segundo dados obtidos pela reportagem, apenas nos três primeiros foram registrados 96 atendimentos no Casj, número que superou os dois últimos anos - de janeiro a dezembro. Em todo o ano 2007, o serviço atendeu 93 casos; em 2006, foram 94.
.
O setor social da PM ainda atende a casos que vão desde depressão e stress até conflitos conjugais. “O policial é mal remunerado, chega em casa e vê a família passando fome. Enquanto deveria descansar, faz segurança na padaria ou no mercadinho para reforçar o salário. Acaba mais tenso, porque sabe que se morrer no bico a família não recebe o seguro (pago pelo Estado). Se for descoberto, recebe punição. Assim muitos acabam enveredando pelo caminhos do álcool e das drogas”, diz o presidente da Associação dos Praças da Polícia Militar, cabo Ruiz Carlos Cezário.Por conta do tipo de trabalho, um policial militar tem de três a quatro vezes mais chances de desenvolver um quadro de depressão ou estresse do que os trabalhadores em geral. .
.
Essa é uma das conclusões de um estudo realizado pela médica do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas (HC) e professora da Universidade de São Paulo (USP) Alexandrina Neleiro, que vai se transformar em livro, a ser lançado no início de 2009.As duas doenças, segundo a psiquiatra, na maioria dos casos levam o paciente à dependência do álcool e/ou entorpecentes. Alguns apelam também para medicamentos controlados, estimulantes geralmente usados por caminhoneiros e conhecidos como “rebite”. A psiquiatra decidiu fazer o trabalho depois da onda de ataques comanda pelo Primeiro Comando da Capital (PCC) - em maio de 2006 -, quando o principal alvo da facção criminosa foi a polícia. “Havia um vácuo na medicina sobre os problemas desencadeados por causa das peculiaridades da carreira policial.
.
Por isso me propus a fazer”, disse.O cabo Cezário, como é conhecido, está há 25 anos na PM e trabalhou entre 2001 e 2003 no Casj. Segundo ele, em geral são os comandantes que mandam o policial para o programa de reabilitação. “São raros os casos daqueles que foram por conta própria”, diz. Um oficial da PM, que pediu para não ter o nome revelado, ainda afirma que os números do Casj não representam a realidade vivida pelos policiais que trabalham nas ruas. 'A tropa está mais doente do que as estatísticas oficiais. O comando da PM deveria ficar atento e trabalhar com afinco para retirar esses policiais das ruas, porque eles representam um perigo para si mesmos e para a população.”
TRATAMENTO PARTICULAR
.
O soldado Igor (nome fictício), de 25 anos, afirma que começou a usar drogas para “lutar” contra o cansaço a que se submetia, por causa da dupla jornada. “Cheirava cocaína para ficar de pé na padaria onde fazia segurança e completava com umas doses de pinga ou conhaque servidas pelos balconistas. Com o tempo, tive de usar cocaína para me manter ligado na PM.”Para ele, o bico que era uma saída para melhorar o salário custou caro. Atualmente, para que seus colegas não descubram o vício, faz tratamento particular.
.
“A PM é a minha vida, coloquei na cabeça que poderia me afundar mais se ficasse sem ela”, afirma.

Um comentário: