segunda-feira, 22 de setembro de 2008

ATO DE INSUBORDINAÇÃO Concluído inquérito sobre PMs (Fortaleza)

ATO DE INSUBORDINAÇÃO Concluído inquérito sobre PMs (Fortaleza)
Flávio Pinto da Redação de o Povo

Chega hoje às mãos do comandante do CPC, o Inquérito Policial Militar que apurou o suposto ato de insubordinação praticado por dois soldados do Ronda do Quarteirão contra dois majores da PM
O Inquérito Policial Militar (IPM), que apurou se houve ou não ato de insubordinação dos soldados do Ronda do Quarteirão contra dois majores da Polícia Militar, está concluído. O IPM será entregue ainda na manhã de hoje ao Comando de Policiamento da Capital (CPC), quem decidirá se concorda ou não com o parecer do tenente-coronel João Batista, designado para presidir o IPM. Caso não haja discordância, o inquérito será remetido para a Justiça Militar ainda hoje. Do contrário, o IPM voltará para as mãos do coronel João Batista para nova conclusão.
.
O IPM tem mais de 100 páginas. Apesar do prazo de 40 dias para sua conclusão, o coronel João Batista levou apenas 18 dias para emitir seu parecer. "No momento não posso revelar o conteúdo, pois corre em segredo de Justiça. A decisão foi imparcial. O Ministério Público acompanhou todas as oitivas e diligências que fizemos para chegar a essa conclusão", afirmou o presidente do IPM. No último dia 12, o secretário da Segurança Pública, Roberto Monteiro, revelou, com exclusividade para O POVO, que havia determinado ao Comando Geral da PM, as exonerações das funções dos majores Carlos e Júlio César Passos Pereira, envolvidos no caso. Até a última sexta-feira, 19, o coronel Willian Alves Rocha, comandante geral da PM, não havia atendido a solicitação, mas extra-oficialmente afastou os oficiais.
.
Júlio César tirou férias e Carlos Passos apenas se apresenta ao serviço na Assembléia Legislativa. Segundo assessoria de comunicação da PM, as exonerações só podem acontecer caso o IPM aponte que houve transgressão ou ato que desabone a conduta dos dois oficiais. Isso ficaria comprovado ou não após a conclusão do IPM. Logo que o comandante geral assine os pedidos de exoneração dos oficiais, o documento será remetido para a assinatura do governador Cid Gomes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário