terça-feira, 22 de julho de 2008

Condenação de controladores aéreos é injusta, diz defesa

Condenação de controladores aéreos é injusta, diz defesa
da Agência Folha - http://www1.folha.uol.com.br

A defesa dos oito controladores do Cindacta-4 (Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle do Tráfego Aéreo) condenados anteontem pela Justiça Militar afirmou que a sentença foi "muito injusta".
.
Os controladores foram condenados a penas que vão de dois meses a dois anos e dois meses de detenção, além da perda de cargo para sete deles, por promoverem o motim que interrompeu o tráfego aéreo do país em 30 de março de 2007, e por entrevista concedida à Folha, em abril do ano passado.
.
"É muito injusta [a condenação]. A preocupação deles era com o bem-estar da população, acima das normas militares", disse o defensor público da União João Thomas Luchsinger, após o julgamento.
.
Segundo ele, os controladores negam rebelião no Cindacta-4 e dizem que os serviços de controle aéreo não pararam.
.
A sentença será lida oficialmente na quinta-feira, na 12ª Circunscrição da Justiça Militar, em Manaus. A partir de então, a defesa pode recorrer ao Superior Tribunal Militar.
Luchsinger disse que invocará o direito de expressão. "Os militares, assim como outros brasileiros, não podem ser punidos por defenderem a própria opinião. O que está em jogo é a liberdade de manifestação de pensamento de qualquer brasileiro, inclusive, militares."
.
Para a parte acusatória do julgamento, a condenação também foi insatisfatória.
"Eles romperam de forma muito grave com os postulados da autoridade militar. O juiz não deve se ater aos interrogatórios. São apenas peças de defesa", disse a promotora do Ministério Público Militar, Nazaré Moraes.
.
Dos oito controladores condenados, sete responderão ao processo como civis. Apenas o primeiro-sargento Rivelino Barbosa de Paiva, 37, não perdeu a patente de militar. Ele foi condenado a dois meses de detenção por "crítica indevida".
.
Os demais --Lisandro Koyama, Alex Gonçalves Sá, Daniel Tavares de Lima, Walber Sousa Oliveira, Wilson Aragão, Wendelson Pereira Pessoa e Michael Rodrigues-- foram condenados por crimes como crítica indevida, desrespeito a superior e incitamento à desobediência, à indisciplina ou à prática de crime militar, previstos no Código Penal Militar.
.
Todos responderão ao processo em liberdade.
.
O Ministério da Defesa e o Comando da Aeronáutica informaram ontem que não iriam comentar o caso. A crise aérea foi desencadeada pelo acidente da Gol, em 2006. Os controladores se rebelaram por melhores condições de trabalho. Em Manaus, ficaram aquartelados e em greve de fome.

Nenhum comentário:

Postar um comentário